ongrace.com

> Carta Viva

22/05/2012 - Eles não se prostram mais?

“E os espíritos imundos, vendo-o, prostravam-se diante dele e clamavam, dizendo: Tu és Filho de Deus” (Mc 3.11).

Desde a queda no jardim do Éden, o diabo agia aqui em nosso mundo como se dele fosse o dono. Usava as pessoas, criadas à imagem e semelhança de Deus, para a realização dos seus mais sujos propósitos. Ninguém o combatia. Era como se ele fosse intocável, ou, na opinião de alguns teólogos modernos, não existisse; como se o mal fosse o próprio homem. Até que, em Belém de Judá, nasceu o Prometido, Aquele que tinha como missão destruir as obras do diabo, o pecado, a doença e todo o tipo de sofrimento, libertando completamente das garras do diabo o homem, que, por um único ato, porém consciente, tornara-se escravo do maligno. Cristo iniciou uma nova era, a partir da qual a obra de Deus deveria ser feita conforme o modelo exibido. Contudo, a lição não foi seguida, e a transformaram em mais uma religião.

Antes de Jesus – Durante quatro mil anos, pessoas iguais a nós viveram sem ter a oportunidade de se livrarem da ação dos espíritos malignos. Eles agiam impiedosamente, fustigando as pessoas com todo o tipo de sofrimento. A única maneira de se escapar da incessante ação dos espíritos maus era obedecer completamente à Lei de Moisés, o que era praticamente impossível. Não havia jeito: o pecado trouxe a morte – a natureza de Satanás-, a qual passou a todos os homens, pois todos pecaram em Adão. O apóstolo Paulo garantiu que a morte reinou aqui, neste mundo (Rm 5.14,15). Homens santos de Deus, pagando um preço altíssimo, viveram piedosamente e profetizaram que um dia isso teria fim. Isaías afirmou: Portanto, o mesmo Senhor vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá, e dará a luz à um filho, e será o seu nome Emanuel (Is 7.14). Emanuel, que significa Deus conosco, era tudo que o homem precisava; Deus viria habitar com ele de novo.

A jovem Maria, escolhida para trazer ao mundo o nosso Salvador, ao ouvir o Santo Espírito falar a ela por meio de Isabel, profetizou: (…) depôs do trono os poderosos, e elevou os humildes; encheu de bens os famintos, despediu vazios os ricos (Lc 1.52-53).

Nos dias de Jesus – Ele veio para cumprir a vontade de Deus. Logo, ao iniciar o Seu ministério, deixou claro ao diabo quem iria mandar aqui. Em todos os lugares Ele anunciava às pessoas que o Reino de Deus havia chegado. Convidava aqueles que estavam sofrendo de qualquer mal para se dirigem a Ele, garantindo-lhes que seriam libertos.Creditava o poder e autoridade que possuía à unção do Santo Espírito sobre Sua vida. Para Ele, o que fazia a diferença era crer em Deus, pois, ensinava que tudo é possível ao que crê. Os espíritos malignos, ao vê-Lo, prostravam-se, diante dEle e O confessavam como o Cristo, o Filho de Deus. Ele simplesmente os repreendia e mandava que se calassem.

Que dias maravilhosos eram aqueles na face da Terra! Pela primeira vez, o homem não precisava mais temer o inimigo; os doentes tinham a quem recorrer e os sofredores eram libertos, pois a mão poderosa do Senhor Deus estava sobre todos. A fé era o único meio de as pessoas se aproximarem de Deus, e serem atendidas com eqüidade. Elas se sentiam grandes, pois podiam viver livres de temores, planejar o futuro e servir a Deus verdadeiramente.

Antes de voltar ao céu, de onde viera, o Senhor reuniu os Seus discípulos – Seus alunos, que passaram três anos a Seu lado aprendendo a fazer a obra do Pai – e lhes disse: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão (Mc 16.15-18).

Estava feito. Os discípulos deveriam ir para todos os lugares e anunciar as Boas Notícias às pessoas: O Reino de Deus havia chegado. O diabo estava envergonhado; ele não foi vencido somente naquele momento da crucificação, pois a obra é eterna. Os seguidores dAquele que o derrotou passaram a informar ao mundo que o cativeiro havia acabado, os doentes podiam ser curados pela fé em Jesus, os problemas resolvidos unicamente crendo-se na Palavra de Deus. Eles receberam o poder quando o Espírito Santo desceu sobre eles.

Nos nossos dias – O ministério do Senhor Jesus deveria estar repetindo-se hoje. Homens e mulheres chamados pelo Senhor Deus deveriam, em todas as partes, fazer a vontade do Senhor; não só os pregadores, mas todos aqueles que ouvem atentamente as Boas Novas. Mas não é o que se vê.

A missão do Senhor foi tristemente transformada em religião, poder secular e político. Por todo mundo, o diabo tem conseguido enganar uma série de pessoas a quem o nosso Deus tem chamado, salvado, santificado, preparado, ungido e enviado a fazer Sua obra. Eles começam bem, mas o arquiinimigo coloca em seus corações que, atualmente, as coisas são diferentes; já não se pode fazer o mesmo que o Senhor Jesus fazia; o homem mudou; os demônios são figuras de retórica, e, portanto, não devem ser expulsos. Que tragédia!

Que decepção tem sido para o Senhor Deus ver aqueles que deveriam ser representantes do Senhor Jesus, diante dos quais os espíritos malignos se curvariam reconhecendo a soberania do Evangelho, estarem promovendo esses seres derrotados, enlameando o Nome do Senhor com suas atitudes sujas e erradas. Os escândalos se sucedem, o poder político está corrompendo desde as mais baixas às mais altas lideranças do povo do Senhor. A estes nunca é demais lembrar a advertência do Senhor Jesus: Ai do mundo, por causa dos escândalos. Porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem (Mt 18.7).

Um apelo – Meus prezados irmãos em Cristo, neste ano, teremos eleições. Serão muito tentadoras as oportunidades que o mundo oferecerá. Ser alguém diante dos homens é fascinante. Mas, se quiserem agradar ao Senhor, esqueçam as propostas do príncipe deste mundo. Que cada um fique na vocação em que foi chamado. Não é hora de nos promovermos, mas de promovermos o Reino de Deus. Essa é a nossa oportunidade de fazer com que os demônios voltem a prostrar-se diante do nosso Salvador. Temos uma missão muito mais elevada a realizar do que ficar brigando pelo poder político que, mais cedo, ou mais tarde, acabará. Mas aquele que fizer a vontade do Senhor ficará para sempre. É hora de fazer os demônios voltarem a curvar-se diante do nosso Senhor.

Acorde povo do Senhor. A lição deve ser assumida e feita da maneira que Ele nos ensinou. Se Ele quisesse, teria sido coroado rei de Israel, mas preferiu sofrer nas ruas pregando a Verdade e libertando o povo a ser colocado no palácio para “gerir” as coisas desta vida. Por causa da Sua obediência foi promovido o Rei dos Reis. Para aqueles que se decidem a fazer unicamente à vontade de Deus, o Senhor Jesus informa: Em verdade vos digo que vós, que me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do Homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis sobre doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel (Mt 19.28).

Produtos que abençoam vidas!

Busca de produtos
Ongrace.com • O site do povo de Deus.