17/06/2013 - INTERPRETADORES PERIGOSOS

Mas vós dizeis: Qualquer que disser ao pai ou à mãe: É oferta ao Senhor o que poderias aproveitar de mim, esse não precisa honrar nem a seu pai nem a sua mãe, E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus.

Mateus 15.5,6

Alguns erros começam quando as pessoas veem o que Deus não lhes mostrou em relação à obra divina. Alguns vão para seminários por recomendação familiar, e outros, em busca de emprego ou prestígio. Com isso, muitos que não têm a chamada divina se apoderam da obra do Senhor e, como não demonstram respeito em seus corações em relação ao ministério, criam e ensinam regras instituídas fora da direção dEle.

Quem não está debaixo de unção é facilmente enganado pelo maligno e, com o tempo, por observação, começa a “melhorar” a obra divina. Enfeitando aqui, criando uma doutrina ali, surge um emaranhado de práticas sem valor algum no mundo espiritual. Então, como o ministério não é do Senhor, o diabo leva os que estão debaixo do seu domínio a se juntarem a tais “profetas”, contribuindo para que a obra “avance”.

Esse é um dos retratos das grandes religiões e de igrejas espalhadas por todas as partes. Em razão disso, milhões de pessoas são enganadas e, por passarem por uma verdadeira lavagem cerebral, jamais se deixarão persuadir pela Palavra do Senhor. As mais loucas e nocivas doutrinas têm sido criadas desse modo, o que faz com que coisas absurdas sejam aceitas como se fossem divinas.

Em Seus dias aqui na Terra, Jesus condenou isso de pronto. Os líderes judaicos que não tinham a unção de Deus criaram uma interpretação do mandamento de honrar pai e mãe que o Senhor combateu veementemente, pois a ordenança de Deus estava sendo invalidada. Ora, como o Senhor pode abençoar se a Sua vontade não é respeitada? O fato é que não se pode alterar ou propor alteração ao que os lábios do Altíssimo proferem.

O Todo-Poderoso foi claro ao dizer que honra os que O honram (1 Sm 2.30). Por isso, deixar de Lhe dar ouvidos por causa de qualquer coisa é a maior estupidez que você pode fazer. Ainda que tenha de perder tudo para ganhar a vida eterna, qualquer prejuízo merece ser sofrido (Mt 10.39; Mc 10.21), porque nada se compara ao que você, uma vez salvo, terá por toda a eternidade. Por outro lado, nada compensará o sofrimento que padecerá eternamente se tiver rejeitado o plano divino.

Se você não passou pela Porta estreita e não anda pelo Caminho apertado, é sinal de que ainda não está salvo e, por isso, encontra-se em grande perigo (Mt 7.13). Portanto, se não quiser passar a eternidade separado do Pai, renuncie agora à sua religiosidade e se converta. Ainda que o preço a ser pago seja muito alto, não há outro meio de se livrar do cativeiro satânico. O Senhor está pronto para recebê-lo e perdoar os seus pecados, mas é preciso entrar pela Porta (Jo 10.9).

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares