16/06/2017 - NO MAR, ENCONTRAMOS OS RECURSOS

Mas, para que os não escandalizemos, vai ao mar, lança o anzol, tira o primeiro peixe que subir e, abrindo-lhe a boca, encontrarás um estáter; toma-o e dá-o por mim e por ti.

Mateus 17.27

Era simples a instrução do Mestre ao Seu discípulo, que, por sinal, falou sem refletir, garantindo o pagamento do tributo (Mt 17.24,25). Ele deveria ir ao mar e pescar nas muitas águas, que representam o Reino de Deus e são símbolo da Palavra divina, o essencial para os dois pagarem o imposto. Quanto temos perdido por não buscarmos no mar de Deus o necessário para não escandalizarmos os outros?

Que fique bem claro em nosso coração: o Senhor não quer nenhum desvio em Sua obra, tampouco o ato de sonegar impostos. Mesmo não sendo preciso, devemos honrar a promessa que fizemos de cumprir com as nossas obrigações. Ora, “César” precisa de recursos para manter a estrutura da nação de modo digno; com isso, todos saem ganhando. É um escândalo quando a igreja se iguala a quem utiliza meios escusos.

Tendo pedido ajuda ao Senhor, fique atento ao que Ele falará, pois, em todos os casos, será o melhor modo de agir. Jesus deu orientações claras a Pedro e, sem dúvida, também dará a nós. Naquele caso, um peixe seria usado para conter o suficiente para o pagamento. A fim de suprir a necessidade de Elias, Deus usou corvos, que levavam carne e pão até ele. Sem dúvida, o instrumento usado pelo Altíssimo está escrito em Sua Palavra.

Deve ter havido uma verdadeira competição no mar naquele dia. Os peixes daquelas águas entenderam que deveriam procurar no fundo delas um que mordesse a isca de Pedro. Desta vez, o discípulo não poderia usar uma rede nem outro recurso de pesca, e sim um anzol. Cuidado para não fazer diferente do que lhe é dito. Moisés, por exemplo, não prestou atenção à ordem do Senhor quando fora tirar água da rocha pela segunda vez. Ele fez o que não devia e se desclassificou.

Os peixes, exceto um, foram proibidos de abocanhar a isca de Pedro, ainda que tivessem o desejo de servir a Deus. Isso mostra que há organização completa no Reino de Deus. Até os peixes foram instruídos sobre o que poderiam e deveriam fazer. Ah, se na igreja acabassem de uma vez por todas as rebeldias ou os planos de homens! Sem dúvida, ela cumpriria o seu papel com maestria. Perguntemos a Datã, Corá e Abiú se valeu a pena serem rebeldes. O que eles dirão?

O peixe que traria a moeda tinha de ser o primeiro a ser recolhido por Pedro. Se outro viesse sem o valor, a Palavra de Cristo não se cumpriria e, então, como ficaria o Altíssimo? Isso mostra que, além de ser um Deus de fé, Ele sabe que todas as criaturas Lhe obedecem, mas, infelizmente, isso não acontece com os homens. Misericórdia! Estamos sendo piores do que as vidas criadas para nos alimentar! Que o Pai seja misericordioso conosco!

Nessa pescaria, a variedade seria grande, mas ele teria de abrir a boca de um animal apenas para suprir aquela necessidade, pagando pelo Senhor e por ele. No verdadeiro mar de promessas, a pescaria pode ser muito grande, mas siga as instruções e nada lhe faltará.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares