16/04/2019 - FAZENDO UMA GRANDE OBRA

E enviei-lhes mensageiros a dizer: Estou fazendo uma grande obra, de modo que não poderei descer; por que cessaria esta obra, enquanto eu a deixasse e fosse ter convosco?

Neemias 6.3

A missão de Neemias começou quando chegaram alguns de Judá e lhe falaram qual era a situação de Jerusalém. Entre eles, estava Hanani, irmão dele, e mais alguns que lhe deram uma notícia nada agradável (Ne 1.1,2). Os que não foram levados para o cativeiro viviam em grande miséria e desprezo naquela província. O muro da cidade se encontrava fendido, e as portas, queimadas a fogo. Tal relato fez Neemias chorar e jejuar diante de Deus.

Nos dias seguintes, ele passou orando e suplicando em favor de seu povo. Um dia, ao servir vinho ao rei Artaxerxes, o soberano persa notou que ele estava triste, como jamais estivera antes, e perguntou-lhe sobre a razão da sua angústia. Neemias respondeu-lhe que era por causa de Israel, a qual estava destruída. Indagado acerca do que queria fazer, orou a Deus e disse que, se fosse do agrado do rei, lhe permitisse reedificar a cidade de seus pais (Ne 2.1-5).

A viagem a Jerusalém foi obra divina, pois lhe foram dados apoio logístico, recursos e poder celestial, sem o qual não teria sequer a permissão para entrar na cidade do grande Rei e dar início ao conserto. Chegando lá, Neemias se deparou com aqueles que seriam seus opositores: Sambalate, Tobias e Gésem, os quais zombaram dele e de quem estava com ele. Disposto a não deixar a oportunidade passar, Neemias iniciou e terminou a obra.

Não foi fácil nas condições daquela época reerguer o muro, reparar as portas e fazer as demais obras necessárias. Da mesma forma, os que são chamados para trabalhar na seara do Senhor hoje devem estar em consagração, prontos para restaurar o que for preciso e estar vigilante por causa dos inimigos. O diabo fará o que puder para que a obra de Deus seja paralisada, os obreiros desanimem e nada seja concretizado.

Além de invocarem a proteção divina, Neemias e seu grupo trabalhavam armados, porque os adversários ameaçavam impedir a reconstrução do muro e acabar com a vida deles. A oração e a súplica eram feitas a todo instante. O estado de nervos era grande, porém o amor do Senhor nunca desamparou Neemias e os seus ajudantes, e eles prosseguiam de tijolo em tijolo. Hoje, temos de fazer o mesmo! Quem olhar para as intimidações nada conseguirá.

Depois de verem o andamento da reforma, os mesmos inimigos – Sambalate, Tobias e Gesém – convidaram Neemias para estar com eles, pois pensaram em lhe fazer mal. No entanto, a resposta do servo de Deus pôs um ponto final ao propósito deles (Nm 6.1,2). É bom estar ligado no Altíssimo e nunca ser precipitado, pois atrás de um convite “inocente” pode estar um plano diabólico.

Não importa a obra que o Senhor lhe deu a fazer; ela é grande e importante. Jamais abandone o que foi colocado em suas mãos para se arriscar em algo que pode lhe trazer muito sofrimento. Veja que Jesus ordenou que não devemos saudar ninguém pelo caminho (Lc 10.4).

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares