19/08/2019 - QUEM GANHA COM A CONTENDA DE PALAVRAS?

Traze estas coisas à memória, ordenando-lhes diante do Senhor que não tenham contendas de palavras, que para nada aproveitam e são para perversão dos ouvintes. 

2 Timóteo 2.14

Desde que os apóstolos começaram a pregar e a sacudir o mundo com o poder do Nome de Jesus, o diabo iniciou a sua operação perversa entre os salvos, levando-os a contenderem com palavras. Houve um tempo em que os convertidos diziam ser do grupo de Paulo e outros do de Apolo. Ora, isso irritava os apóstolos, porque a obra não estava sendo feita para que pensassem dessa maneira e agissem de modo insensato.

Ao longo da história da igreja, isso continuou a ocorrer. Muitos se influenciaram pelos ataques dos apologistas do Império Romano e decidiram que era melhor se prepararem intelectualmente para vencê-los, em vez de se consagrarem para serem usados pelo Senhor com maravilhas, prodígios e sinais. Paulo disse que o Evangelho é o poder de Deus (Rm 1.16), por isso devemos ensinar a Verdade ao povo.

Somente na volta de Jesus, o nosso corpo será glorificado. Logo, os líderes da igreja ainda são imperfeitos. Porém, isso não quer dizer que possam ceder a campanhas publicitárias e agressivas, pois é o Senhor Quem acrescenta algo à Sua casa. Por que politizar a pregação da Palavra? O Mestre, ao responder aos fariseus, mandou o seguinte recado ao rei Herodes: Ide e dizei àquela raposa: eis que eu expulso demônios, e efetuo curas, hoje e amanhã, e, no terceiro dia, sou consumado (Lc 13.32). Isso quer dizer que Ele está no controle de tudo!

Como Igreja de Cristo, precisamos anunciar as Boas-Novas na sua simplicidade e pureza. Só assim, ganharemos as nações para o Senhor. Como cidadãos, podemos assumir o que achamos ser o melhor para o país, mas, como servos de Deus, a nossa missão é evangelizar todos. Se tomarmos uma posição a favor de uma ou outra filosofia religiosa, entraremos pela porta larga, acarretando graves prejuízos para nós e os outros.

Não dá para entender como um servo do Senhor deixa o ministério da Palavra e tenta se eleger a qualquer cargo. Ora, ele foi convocado a ocupar a maior posição que qualquer pessoa aspiraria na vida – a de ministro do Evangelho de Jesus – o Rei dos reis. Essa atitude significa rebaixar-se. É triste, mas muitos fazem isso e mudam o rumo daqueles que creem no Altíssimo.

Paulo disse a Timóteo que ordenasse, na presença de Deus, essas coisas a quem ele dirigia. Aqueles que gostam de contendas de palavras são usados pelo inimigo. O Pai celestial nunca mandaria fazer algo ruim, e sim o maligno. Por que algum salvo trabalharia contra os esforços do Senhor, ajudando o diabo em suas más ações? É preciso se cuidar para não cair (1 Co 10.12).

Quando não recebermos nada de Deus para falar, devemos fechar a boca. Assim, não transgrediremos com as nossas razões, as quais, muitas vezes, provêm do adversário. Seja a pessoa que, se não puder ajudar, não atrapalhará ninguém. Lembre-se de que comparecemos ante o tribunal de Cristo para dar explicações do que fizemos de bom ou mau. Misericórdia!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares