26/08/2020 - UNIÃO NA PERSEVERANÇA

E, perseverando unânimes todos os dias no templo e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração.

Atos 2.46

A resposta dos nossos irmãos que participaram do nascimento da Igreja de Jesus aos Seus perseguidores foi a melhor. Ao invés de odiá-los, amava-os de todo o coração. Por si mesmos, decidiram vender suas propriedades e fazendas e repartir o produto da venda com todos, a fim de suprir suas necessidades básicas. Muitos dos que se rendiam a Cristo eram expulsos de casa e precisavam receber ajuda. 

Os salvos perseveravam unânimes em tudo, cumprindo a oração de Jesus, respondida pelo Altíssimo: que Suas ovelhas fossem unidas, assim como Pai e Filho o são. Não há coisa mais triste e prejudicial ao Reino de Deus do que as pessoas causarem dissensões na obra divina. Quem dividir a Igreja sofrerá as consequências. Afinal, esse ato irá separá-lo do amor de Cristo.

Os crentes de hoje também necessitam perseverar em concordância no serviço a Deus, de acordo com a Palavra. Na Igreja dos primeiros cristãos, não havia partidarismo, mas união para a obra ser feita como planejada pelo Altíssimo. A cura do paralítico colocado junto à porta Formosa nos mostra isso: Pedro e João subiam juntos ao templo à hora da oração, a nona (At 3.1). Eles subiam juntos à oração, sem divisão!

Os cristãos que viram nascer a gloriosa Igreja do Senhor não deixavam o templo, porque queriam servir a Deus somente. Pedro se destacava como o líder, o porta-voz, mas João, mesmo considerado o apóstolo a quem Jesus mais amava, pelo fato de ter os mandamentos e guardá-los (Jo 14.21), não reclamava para si o papel de dirigente. Ele ia ao templo com Pedro, que foi usado para sarar o enfermo.

Até o simples fato de partir o pão era motivo de alegria para aqueles irmãos, que queriam ser instrumentos de Deus, fazendo conforme Ele desejasse. Se houver disputa para ver quem será o líder, ou tido como o mais importante, menos a misericórdia e o poder do Senhor operarão; havendo disputa, o Espírito Santo permanecerá longe. A obra divina é feita no temor do Senhor e, para isso, os vasos a serem usados precisarão nascer de novo. Vigie e ore!

Por existir amor, a Igreja crescia, e o Senhor podia realizar maravilhas. Ele é quem conduz o povo e dá solução aos seus problemas. Entretanto, onde há contenda, há também os pecados mais sujos que se possam praticar. Entenda: uma alma sem o amor de Deus será alvo dos demônios, que lutam desesperadamente para prejudicar a seara divina. Não há maior traição ao Senhor do que dividir o trabalho iniciado pela verdadeira sabedoria, sob a direção do Pai.

É lindo ver os salvos permaneceram na fé em Cristo, lutando pelos seus direitos e pelas suas responsabilidades em Jesus. O mundo aprecia nos ver cumprir a vontade de Deus sem reclamarmos de nada, ajudando todos a se libertarem. Basta usar a fé e reivindicar a bênção. Se Pedro e João estivessem desunidos, não teriam êxito naquela cura. 

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares