08/04/2021 - QUEDA VERTIGINOSA

E foi e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos a apascentar porcos.

Lucas 15.15

O filho pródigo chegou como alguém que se sentia melhor do que as pessoas. Porém, aos poucos, dissolveu a sua riqueza, que pensava ser eterna. Quando notou a diminuição dos seus recursos, foi confrontado pela notícia de que uma seca assolava aquela região. Portanto, a terra repleta de bens, pecados e todo o tipo de vida fácil estava condenada ao sofrimento e à escassez.

Possivelmente, o jovem tentou fazer negócios, mas ninguém tinha mais dinheiro para comprar nada. Por essa razão, só lhe restou encontrar um emprego, porém até isso estava difícil. Como a economia ia mal, os empresários despediam seus empregados, e o número de pessoas desempregadas aumentava a cada dia. Por fim, desesperado para poder sobreviver, a tão sonhada vaga apareceu. Ele trabalharia apascentando porcos. Uma queda grande!

As crises financeiras acontecem em qualquer economia, até mesmo na familiar.  Se uma pessoa gasta desordenadamente, em pouco tempo ficará sem dinheiro para pagar suas aquisições. No caso do rapaz, houve uma grande fome no país, provavelmente pela falta de chuva. Nesses períodos, além de empresas irem à falência, os produtores deixam de contratar as pessoas, porque, sem chuva, não há plantação.

A pessoa que não guarda um pouco de dinheiro fica desnorteada quando ocorre algum infortúnio. Normalmente, em épocas assim, os amigos também passam necessidades. Então, quem tem alguma reserva financeira não pode dispor dela; se o fizer, padecerá também. É difícil acusar os amigos que se recusam a socorrer alguém em dificuldade, principalmente se o necessitado vivia em orgias.

Ele deve ter pedido ajuda a Deus, visto que, de modo misterioso, alguém o chamou para apascentar os porcos. Aquele que se gabava dos próprios bens viu que nada tinha, e o melhor a fazer era aceitar o serviço. A necessidade daquele jovem foi tão grande que ele pediu permissão para se alimentar da comida dada aos animais, mas isso lhe foi negado. A pessoa sem fé no Altíssimo pensa até em suicídio.

Desconhecemos o que se passava pela mente daquele rapaz. Provavelmente, o remorso era intenso por ter saído de longe e da casa do pai para “aproveitar a vida” e enriquecer. Em uma situação assim, é importante se perguntar por que todas as portas estão fechadas. Isso pode lhe trazer a iluminação que o salvará. Os desviados do Evangelho devem saber disso, pois não agiram bem.

Quantos irmãos estão hoje na cadeia quando deveriam servir no altar do Senhor, fazendo a obra divina? Quantas irmãs se encontram vendendo o corpo em um bordel, em vez de estarem com a família delas? Por que as pessoas trocam Aquele que é a Resposta para o mundo pelas ofertas ilusórias da porta larga? (Mt 7.13). A saída é Jesus!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares