25/05/2021 - SUSTENTO NA CRISE

Sustentaste os meus olhos vigilantes; estou tão perturbado, que não posso falar. 

Salmo 77.4

Não sabemos se Asafe, o escritor do Salmo 77, falava de si, ou como profeta, de outra pessoa que, embora servisse ao Senhor, enfrentava crises inacreditáveis. Não há como saber se isso ocorria com ele, mas é pura verdade que as suas palavras se encaixam em nossa vida. Os servos de Deus receberam promessas as quais garantem que o Senhor os guardará sempre (Sl 91; Mt 10.28-31). Porém, durante a prova, muitas vezes nos descuidamos das orientações divinas e abrimos a boca para dar brechas ao maligno.

A Palavra descreve Jó como um homem em quem não encontramos falhas: Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; e este era homem sincero, reto e temente a Deus; e desviava-se do mal (Jó 1.1). Quando foi acometido de enorme tribulação, ele se defendia com unhas e dentes, dizendo que nada de errado havia em sua vida. Então, de início, parece que Deus autorizara o inimigo à toa, mas, depois, o próprio Jó concluiu ter falhado, permitindo o medo em sua alma. Ele o confessou: Por que o que eu temia me veio, e o que receava me aconteceu? (Jó 3.25).

No início do Salmo, Asafe revela detalhes importantes sobre sua atitude diante das artimanhas do reino das trevas que estavam acontecendo. Para ele, era difícil entender o fato de estar cheio de problemas; afinal, ele cria em Deus e O buscava sempre. Asafe era um levita famoso pelo seu amor ao Senhor, mas, ao se lembrar dEle ficava perturbado, pois não entendia o que lhe sucedia e por que o Altíssimo não o protegia. O salmista queria descobrir a razão disso tudo.

No meio daquele mal, Asafe observou que ocorria um fato bom: seus olhos vigilantes não foram afetados – prova de que Deus era com ele. Só o Senhor podia manter intacta a percepção espiritual do salmista. Mesmo não estando em pecado, ele era atingido pelo mal, e seu olhar interior procurava respostas, crendo que as encontraria. O Pai estava ensinando algo desconhecido para ele. Isso ocorre com você também?

Os seus olhos vigilantes foram sustentados pelo Altíssimo, conclui Asafe. Isso era verdade. Seguramente, o mesmo pode ocorrer com você. Apesar de sua fé estar sendo provada, fazendo-o perturbar-se por causa da aparente ausência do Todo-Poderoso, Ele está bem ao seu lado, fortalecendo-o e protegendo-o. Vigie para que, nas suas orações, você não fale algo inapropriado, ofendendo o Senhor. Ele sabe fazer Seus filhos aprenderem a lição!

A sua tentação pode ser grande, mas não é sobrenatural. Caso fosse, você não a aguentaria: Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar (1 Co 10.13). Portanto, acalme-se e só abra a boca para confessar a Palavra de Deus. Fazer pecar a sua carne (Ec 5.6) aumenta o seu sofrimento. Viva em Jesus!

Asafe foi sábio e, no meio da perturbação do seu coração, disse que não podia falar. Esse mesmo cuidado deve ter quem está sob tentação. Nessas horas, se você não estiver firme na sua fé, confessará coisas que o prenderão: Enredaste-te com as palavras da tua boca, prendeste-te com as palavras da tua boca (Pv 6.2). Louve ao Senhor por tudo!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares