19/10/2021 - NÃO SE ENVERGONHE

Portanto, não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes, participa das aflições do evangelho, segundo o poder de Deus.

2 Timóteo 1.8

Uma das piores atitudes de um salvo – liberto da opressão que o fazia agir fora do plano de Deus – é envergonhar-se de Jesus ou do Evangelho. Quem faz isso corre perigo, porque Ele falou que, por Sua ordem, também fará o mesmo em relação a tal pessoa: Porque qualquer que de mim e das minhas palavras se envergonhar, dele se envergonhará o Filho do Homem, quando vier na sua glória e na do Pai e dos santos anjos (Lc 9.26).

O mundo precisa conhecer a Verdade, e nós sabemos que Ela é Jesus Cristo, o Filho de Deus (Jo 14.6). Então, nunca deixe de falar sobre o que o Senhor fez em seu favor. Se foi liberto de algo ruim, é porque você foi amado pelo Mestre. Agora, deixar de contar isso para as pessoas o fará ser responsável pela perdição delas. Portanto, mesmo que perca os seus melhores amigos, não se desvencilhe do seu melhor Amigo.

Aja com sinceridade sempre que tiver oportunidade de falar da sua recuperação em qualquer área da vida. Nunca seja servo do inimigo, pois ele só sabe destruir o coração dos incrédulos. Seja um obreiro aprovado, o qual não se envergonha de nada e tem prazer em dizer quem era e é agora. O crédito da nossa libertação deve ser dado a Cristo. Quando as pessoas souberem o que Ele fez por você, também irão querer encontrá-Lo para serem livres!

Paulo diz que estava preso por causa do testemunho de Jesus. Ele não havia feito nada de errado, mas enfurecia os judeus falando do bom Pastor. Com isso, eles iam aos tribunais, intimidá-lo com falsas acusações, como ocorreu com o Mestre no julgamento que enfrentou diante das autoridades romanas e, por causa delas, foi sentenciado à morte. O Salvador veio exatamente para isto: morrer em nosso lugar, libertando-nos da eterna condenação (Is 53.4-7)!

O apóstolo exortou Timóteo a participar das aflições que, naqueles dias, vinham sobre os que ousavam falar do maravilhoso Redentor. A Igreja deve passar por essas perturbações com a cabeça erguida. Se, por amar o Senhor, tivermos de viver momentos angustiantes, é melhor nos prepararmos para jamais sermos rotulados de covardes, ou outra qualificação negativa (Ap 21.8). Temos de ir até o fim, cumprindo o propósito divino (Dn 12.13).

A melhor maneira de participarmos das aflições do Evangelho não é orando para Deus enviar um raio e destruir quem nos ataca. Esse não é o ensino do Cordeiro santo, conforme Ele mesmo disse: Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem (Mt 5.44). Eis a receita de sucesso a ser seguida pelos perseguidos por causa do Evangelho!

Muitas pessoas ainda não se tornaram maduras no Senhor, por isso conclamam os outros a pedirem que o Altíssimo destrua seus adversários. Isso é errado! Se alguém nos faz mal, ele não pode morrer sem se arrepender, pois será condenado eternamente. Clame a Deus em prol dessa alma!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares