18/11/2021 - CONVERSÃO DO CORAÇÃO

E converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha e fira a terra com maldição. 

Malaquias 4.6

A obra maior feita pelo Senhor no coração do pecador é a conversão. Porém, em muitos casos, o cristão impede que Deus opere na vida dos outros. Se alguém estendeu a mão para lhe fazer mal, ele não perdoa nem ora para que o seu ofensor se arrependa. Descartar quem se vendeu ao pecado é tudo o que o diabo deseja. Ora, somos os únicos capazes de perdoar e, se não fizermos isso, seremos usados por Satanás (Rm 12.14,17-21). Misericórdia!

A unção de Elias fará o coração dos pais se converter aos filhos, e vice-versa. No entanto, as palavras do Altíssimo são rejeitadas na maioria das vezes por quem foi perdoado de uma dívida bem maior. Então, agimos igual ao homem da parábola contada pelo Mestre: Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem dinheiros e, lançando mão dele, sufocava-o, dizendo: Paga-me o que me deves (Mt 18.28). Nós amamos Jesus de fato?

Por que há divórcios no Corpo de Cristo? Porque nos esquecemos de que há bálsamo em Gileade (Jr 8.22). A vergonha dos nossos atos não nos deixa ver que temos sido bem piores do que aqueles considerados irrecuperáveis. Ora, somos os nascidos de novo; logo, deveríamos conhecer a misericórdia e o perdão divinos, a fim de agirmos como santos. Reconhecendo que precisamos fazer o mesmo que o Senhor fez conosco, as nossas transgressões serão perdoadas. Fomos salvos por nossa santidade?

O Senhor declara que devemos mudar o nosso jeito de viver para sermos parecidos com Cristo (Ef 4.1-3). Tal conduta evita que Ele venha e fira a terra. Porém, parece que isso não tem ocorrido ultimamente. Muitos experimentaram a misericórdia do Senhor, agradeceram por ela, mas não agiram como Ele orientou. Resultado: a falta de amor os prejudicou bastante: E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia (Mt 18.34).

Segundo o apóstolo Tiago, deixamos de receber aquilo pelo qual clamamos, porque não entendemos como fazer a petição: Cobiçais e nada tendes; sois invejosos e cobiçosos e não podeis alcançar; combateis e guerreais e nada tendes, porque não pedis (Tg 4.2). Se as nossas orações não são respondidas, algo impede o Senhor de nos dar a resposta desejada. Não podemos pensar somente em nós, mas, primeiro, no Seu Reino! (Mt 6.33).

É tamanho o desrespeito a quem foi usado para conduzir os perdidos ao Reino dos Céus. Muitos, sem perceber que o Evangelho converte o coração dos pais aos filhos, agem como se isso fosse mentira. Na Bíblia, encontramos orientações quanto ao procedimento de quem é movido pela cobiça. Tiago diz que os invejosos e cobiçosos jamais alcançarão o favor divino. Ter amizade com o mundo faz de você inimigo de Deus (Tg 4.4).

A terra onde você foi colocado é boa e cheia de recursos a serem usados agora e no futuro (Dt 8.7-9). Devido às ações de alguns, Deus tem de ferir o pedaço de terra que lhes coube por herança. A razão de tanta coisa ruim acontecer é não obedecer à vontade divina. Volte a caminhar com o Senhor!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares