14/02/2022 - O FUTURO DA VINHA REBELDE

E a tornarei em deserto; não será podada, nem cavada; mas crescerão nela sarças e espinheiros; e às nuvens darei ordem que não derramem chuva sobre ela. 

Isaías 5.6

O Senhor avisa que a amada se tornará a abandonada, pois não fez jus ao que foi planejado até sua edificação como a Sua vinha. É repulsivo aos olhos de Deus que você despreze o seu potencial e viva fora do propósito perfeito proveniente do coração dEle. Por isso, muitas coisas desagradáveis acontecerão. Se não voltar aos pés de Cristo, pedindo perdão e emendando-se do erro, continuará de derrota em derrota até a morte final na volta do Senhor (Ap 3.1-3).

Deus declara que a vinha será transformada em deserto. Isso mostra que haverá uma sucessão de más notícias a respeito dela. Ora, as virtudes celestiais que lhe garantiam um futuro glorioso não mais serão vistas nela. Via de regra, no deserto, não se acha nada agradável ou proveitoso a quem se perdeu. Essa pessoa desconhece onde está nem sabe como sair de lá. Isso é muito triste! O Altíssimo faria da Sua vinha a preferida dos Seus olhos? Ela representa a Igreja, e nós somos a Igreja em particular. 

Toda plantação passa pela poda para voltar a ser fértil no tempo certo. A vinha rebelde não será podada – não haverá o ressurgimento da vida para ela. É como o pecado contra o Espírito Santo: uma vez cometido, não há perdão (Mt 12.31). Deus sabe levar ao arrependimento a Sua amada, a qual, com a poda, voltará a produzir a razão da sua existência: agradar ao Dono. Se você for repreendido, alegre-se, pois isso significa que o Pai o ama (Hb 12.4-11).

O viticultor cava ao redor das plantas frutíferas e deposita ali bons nutrientes, os quais farão um bem tremendo a elas (Lc 13.8). Com isso, a produção aumenta muitíssimo. No entanto, quando a vinha/igreja se rebela, não se interessa pelo bem dos perdidos e deixa de evangelizá-los, ela perde o reforço dos Céus. Por isso, definhará e, nela, ficarão poucas pessoas. O local onde mais ninguém se converte desaparecerá com a morte de quem ficou.

O aparecimento de sarças e espinheiros (doutrinas estranhas) na vinha demonstra que o mundanismo se instalou nela. Então, em vez de bons frutos, surgem escândalos (2 Tm 4.3,4). Isso ocorre onde aqueles que vivem de modo contrário aos mandamentos – considerados antiquados para eles – são elevados a ministros. Até os perdidos se apiedam de tal situação, pois é inconcebível que haja vinhas a serem usadas pelo diabo.

Desastrosamente, arrastam consigo milhões de pessoas que nunca conheceram o Senhor nem têm o toque do Céu, por isso jamais deveriam ser membros da casa do Pai (1 Tm 3.15). O pior é que são consideradas representantes de Deus, que é amor. Ora, essa casa não será conhecida como um local de mudanças, onde se nasce de novo para a santa manifestação dos verdadeiros filhos do Altíssimo. Sarças e espinheiros prejudicam a vinha!

Alguns tentam revitalizá-la, promovendo orações, vigílias e reuniões de “avivamento”, mas tudo em vão, porque, uma vez abandonada pelo Senhor, nada mudará aquela que foi prioridade do Céu. Os que participam de seus cultos parecem que nunca conheceram o Transformador de vidas e, cada dia, agem pior do que antes. Afinal, tais reuniões podem ter a forma de “divino”, mas não há poder.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares