24/11/2022 - O MANDAMENTO DO AMOR

Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.

1 João 3.18

Segundo Jesus, amar verdadeiramente tem de vir seguido de uma prerrogativa: cumprir os mandamentos dEle. O Mestre afirmou: Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, este é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele (Jo 14.21). Uns dizem que O amam de coração, mas a realidade prova o contrário; seus atos não condizem com os preceitos deixados pelo Senhor!

Nos estudos anteriores, vimos que enganamos alguém quando declaramos que o amamos e não o ajudamos em suas necessidades. Ora, não é bom deixá-lo sem o socorro que diminuiria o seu sofrimento. Quem ama presta auxílio aos carentes; por outro lado, peca aquele que tem possibilidades de colaborar, mas não o faz. Conforme a Bíblia declara, os mentirosos não entrarão no Reino dos Céus (Ap 21.8).

O tratamento do Pai é carinhoso para com o filho desleixado ou esquecido do seu dever. O Senhor providenciou tudo para sermos felizes e bem-sucedidos. Para isso, temos de fazer a nossa parte: tomar posse da bênção. Na Palavra, há tudo de que necessitamos para usarmos como prova de amor ao Criador, e um exemplo disso é quando abandonamos o pecado e cumprimos os mandamentos divinos. Deus fez a obra completa, a fim de você ser curado, próspero e santificado. Creia e viva!

O Senhor não aceita “amor” de palavras, que, repetidamente, muitos costumam falar com o coração longe da verdade. Como alguém pode pensar em enganar o Altíssimo, se Ele já sabe o que falaremos antes de a palavra chegar à nossa língua? O Pai entende até as intenções do coração, por isso seja sempre verdadeiro para com Ele, ou continuará a falar coisas que sequer Ele Se prestará a ouvir. Você se edifica ou se destrói por causa de atos e palavras!

Amar por obra é obrigação dos nascidos no Reino de Deus; afinal, eles foram abençoados e eleitos filhos da Luz. É incompreensível ver pessoas sem se importar com quem não tem discernimento do pecado. Esses perdidos vivem nas sarjetas, dividindo pão com ratos e demais animais nocivos e sujos. Eles não tiveram a nossa sorte de conhecer o Senhor, por isso vivem à margem da sociedade. Temos de ir até eles para lhes anunciar a Palavra e realizar a obra necessária!

Amar em verdade é o que o Senhor espera de nós. Não temos de simplesmente repartir o pão com os pobres, mas também lhes falar do sacrifício de Jesus em favor da humanidade, enquanto viveu aqui, fazendo o verdadeiro ladrão que os oprimia se manifestar e ser expulso. Os perdidos precisam ter a mente livre de ensinos negativos vindos de todos os lados. Assim, alcançarão a dignidade de viver sem amargura. Devemos mostrar-lhes a Solução  Jesus!

Fuja dos interesses pessoais em alguém. Socorra-o sem aceitar um abraço, por exemplo. Explique-lhe que você está fazendo o bem, porque Jesus assim mandou. Com isso, essa pessoa dará ouvidos às Boas-Novas. Ora, a fé vem por ouvir a Palavra. Então, ao receber a fé real, todos se dobrarão diante da Verdade e serão libertos por ela (Jo 8.32). Deus é bom!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares