14/07/2009 - O DIABO É PERSEGUIDO

“Aquele que feria os povos com furor, com praga incessante, o que com ira dominava as nações, agora, é perseguido, sem que alguém o possa impedir” (Isaías 14.6).

O texto acima fala do diabo. O inimigo sofreu seu maior golpe na morte de Jesus. Ele agia como o plenipotenciário, oprimindo e destruindo tudo e todos. No entanto, Jesus o destronou, e ele foi expulso da sua autoridade. Por isso, nenhum filho de Deus deve submeter-se a ele. A vitória do Senhor sobre o diabo foi em nosso favor.

Com o pecado cometido por Adão, o diabo entrou no mundo (Romanos 5.12) e passou a agir como se fosse o dono de tudo, atormentando todos os que não estavam sob a Aliança que Deus estabeleceu com o homem. Mas, quando Jesus Se deu em favor da humanidade na cruz do Calvário, o príncipe das trevas sofreu o maior golpe: perdeu o domínio sobre o homem (Romanos 5.17-19). Por isso, hoje, os cristãos não devem submeter-se à vontade do maligno.

Jesus é o Único que tem todo o poder, no Céu e na terra (Mateus 28.18). Todos aqueles que se converteram e tornaram-se filhos de Deus não precisam temer Satanás nem as ameaças dele, mas devem, firmemente, determinar a saída do mal usando o Nome do Senhor.

A derrota que Cristo infligiu ao diabo foi maior do que as pessoas aparentemente sabem. Ele o destronou e suprimiu a autoridade que o tentador assumira ao conseguir que o primeiro homem desobedecesse a Deus. O Mestre não somente nos libertou para sempre do poder infernal, como também nos deu poder para expulsar os demônios e curar as enfermidades (Mateus 10.1).

Quem se converte e, consequentemente, nasce na família de Deus não deve submeter-se a nenhuma das tentações malignas. O diabo não nos pode possuir, entrar em nossa vida nem tocar naquilo que nos pertence. Ele só consegue agir quando permitimos, e esse consentimento se dá por medo (que é o mesmo que confessar incredulidade em Cristo) ou por algum pecado não confessado.

Temos de entender que o Senhor não precisava, por Si mesmo, vencer o tentador, mas fez isso para que nos beneficiássemos. Então, a vitória do Salvador sobre Satanás e seus demônios, bem como sobre toda a sua obra, foi creditada em nossa conta. É como se nós mesmos tivéssemos feito a obra. Em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou (Romanos 8.37).

Agora, o perseguidor é perseguido. O diabo já foi julgado (João 16.11) e expulso (João 12.31).

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares