09/06/2010 - A IMPORTÂNCIA DO CÔNJUGE

“Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido” (1 Coríntios 7.2).

A prostituição existe desde a queda de Adão, quando o diabo entrou no mundo. Em algumas áreas, ela é mais abundante, mas, em todos os lugares, faz-se presente. No versículo citado, o apóstolo Paulo aconselha todos a se casarem. Na verdade, o Senhor já havia determinado que o homem deixasse pai e mãe e se unisse a uma mulher (Marcos 10.7). Quem não recebeu o dom de Deus de permanecer solteiro, como é o caso dos 144 mil de que a Palavra fala, deve casar-se.

Então, o mais sensato que qualquer pessoa pode fazer é procurar a sua metade e unir-se a ela por meio do casamento. Ninguém peca por se casar, desde que seja no Senhor. Os que desprezarem esse mandamento bíblico enfrentarão tribulações na carne. Dizer que, hoje em dia, não é possível casar-se por causa das despesas com a manutenção de um lar é uma desculpa, pois, quando obedecemos à Palavra de Deus, Ele providencia todas as coisas. Citar casos de pessoas que se casaram e não foram bem-sucedidas também me parece um pretexto para não assumir compromisso com alguém. O melhor é obedecer ao Senhor.

O matrimônio é uma instituição planejada por Deus. Foi Ele quem nos fez macho e fêmea, e ordenou que crescêssemos e nos multiplicássemos. Ele declarou que o casamento é um mistério, onde os dois se tornam um (Marcos 10.8). Ai daquele que intervém no relacionamento de um casal! Os adúlteros haverão de pagar um alto preço! Quem não é fiel ao seu cônjuge irá arrepender-se por toda a eternidade, mas será tarde demais (Provérbios 6.32-35).

Quem se casa deve estar ciente de que não pode negar-se ao outro. Dizer “eu não gosto disso” não serve para quem se casou. Agora, se a pessoa tem algum problema de natureza orgânica deve procurar um médico, pois a Palavra proíbe que haja abstinência nos compromissos conjugais entre homem e mulher, exceto por mútuo consentimento, mesmo assim apenas durante um tempo em que ambos se dedicarão à oração (1 Coríntios 7.5).

O que a Palavra proíbe não deve ser praticado entre os que servem ao Senhor. Se um cônjuge deseja o que as Escrituras proíbem, o outro deve orar e conversar com ele de modo sério. A Bíblia declara que o leito conjugal é santo (Hebreus 13.4), e a palavra usada no original refere-se à atividade sexual. Dessa forma, o ato praticado pelos nossos pais para nos trazer à vida não foi pecaminoso, mas santo e digno de toda honra.

De acordo com a Palavra de Deus, não é permitido o adultério – o ato sexual fora do casamento de pessoa casada com outra, quer esta seja casada ou não. Outra prática condenada pelas Escrituras é a fornicação – prática sexual de solteiros, viúvos, separados e divorciados. Tanto adúlteros quanto os fornicadores não herdarão o Reino de Deus e provarão a segunda morte (Apocalipse 21.8). Já as pessoas que se relacionam com outras do mesmo sexo sofrerão a condenação eterna (1 Coríntios 6.10).

Meu irmão, por causa da prostituição que corrompe e leva as pessoas às maiores loucuras sexuais, case-se e comporte-se de acordo com os princípios bíblicos.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares