16/10/2010 - GERADOS DE NOVO

"Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos” (1 Pedro 1.3).

 No Antigo Testamento, o Altíssimo era invocado como o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Naquela época, ao se dirigirem a Ele dessa forma, as pessoas lembravam-se das promessas que o Todo-Poderoso havia feito aos patriarcas dos hebreus. No Novo Testamento, porém, não vemos tal designação para o Senhor, o qual é chamado de Deus e Pai de Jesus Cristo (2 Coríntios 1.3; Efésios 1.3).
 Ao invocarmos o Senhor como Deus e Pai de Jesus, referimo-nos às promessas que Ele fez ao Seu Filho e ao que Jesus prometeu que o Todo-Poderoso concederia a cada um de nós. Mas dizer essa frase por dizer pouco adianta. O importante é conhecermos o que nos é dado gratuitamente por intermédio de Seu Filho. Assim, quando formos orar, estaremos lembrando-nos de tudo aquilo que Ele nos garantiu em Sua Palavra. Na condição de Pai de Cristo, Ele nos recebe como filhos, e não como servos, conforme ocorria no Antigo Testamento.
 Na passagem que lemos em 1 Pedro, observamos que, ao falar da infinita misericórdia divina, o apóstolo nos lembra o que foi feito em nosso favor: foi preciso o Senhor usar Sua misericórdia para que fôssemos alvos do Seu amor. A queda de Adão tinha-nos afastado para bem longe de Deus. Então, a fim de que conduzidos para perto dEle, o Altíssimo teve de usar Sua infinda misericórdia, pois, do contrário, não teríamos sido gerados para uma viva esperança.
 Com esse gesto, o Pai nos gerou de novo. Meu irmão, o novo nascimento é mais do que imprescindível para que o homem venha, mais uma vez, a ser o sonho de Deus. No entanto, muitos, após terem sido gerados outra vez, não procuram entender o que o Senhor tem para eles, frustrando, assim, o projeto divino. Os que procedem desse modo se esquecem de que o inimigo é real e está sempre lutando para levar os filhos de Deus ao engano. Por sinal, um dos maiores sucessos de Satanás é fazer com que os cristãos não enxerguem mais nada pela fé.
 O que Deus tinha em mente ao nos chamar para sermos parte do Seu povo deve ser entendido, porque foi algo grandioso: fomos gerados para uma viva esperança, e não para nos arrastarmos nas teias do sofrimento. Ora, o Senhor jamais pagaria um preço tão caro por algo de pouca importância. Somos muito valiosos para Ele, por isso, em vez de desmerecer esse sentimento divino, devemos refazer os motivos que nos levaram a sermos cristãos.
 Um dos fatos mais importantes para a nossa fé foi a ressurreição de Jesus; afinal, se Ele não tivesse ressuscitado, estaríamos perdidos para sempre. Com Sua ressurreição, entretanto, fomos justificados de todos os nossos pecados, por isso quem está em Cristo não tem mais nenhuma condenação em sua ficha (2 Coríntios 5.17)!

 Em Cristo, com amor,

 R. R. Soares