10/10/2013 - FAÇA O QUE DEUS LHE MANDA

Vedes, então, que o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé.

Tiago 2.24

A Bíblia fala sobre a justificação alcançada pela fé, na qual somos inocentados de todos os atos ruins que tenhamos feito, sendo, a partir de então, considerados como se nunca tivéssemos feito nada de errado. Só se chega a essa posição de altíssimo privilégio pela fé. Não são as orações dos pais, nem as de qualquer outra pessoa, que mudam a natureza de alguém, tampouco as boas obras praticadas, e sim a fé em Jesus.

É verdade que nenhum dos praticantes de boas obras, que as faz por iniciativa própria, receberá algum agrado do Senhor. Já os que forem orientados por Deus a realizarem algo e cumprirem tal ordem colherão a recompensa no último Dia. Na verdade, até quem dá um copo de água fria a um dos pequeninos que creem no Senhor terá galardão.

Primeiro, vem a fé; depois, as obras que a aperfeiçoam.
Segundo Tiago, o irmão de Jesus, as obras que justificam o homem seguem a fé que lhe foi dada por Deus. Por isso, as obras que o Senhor nos inspira a executar levarão os seus praticantes a serem justificados diante do Altíssimo. O que apóstolo diz não cria nenhum atrito com o que Paulo falou a respeito da justificação feita pela fé. A fé coopera com as obras, e estas a justificam.

Os religiosos de quaisquer organizações eclesiásticas, cristãs ou não, que saem pelo mundo fazendo o bem ao próximo, não conseguirão que tal atitude seja aceita como as obras as quais justificam o homem, mencionadas por Tiago. No aspecto humano, o que essas pessoas fazem é bom; porém, por não terem aceitado a fé em Cristo, essas boas obras não têm valor em relação à vida eterna, ainda que tenha sido despendido muito esforço para realizá-las.

No último Dia, veremos muitas pessoas justificadas por obras semelhantes, pois já tinham aceitado a fé em Jesus e executaram tais obras por direção e ordem divinas. Foi o caso de Abraão – citado por Tiago (v. 23) –, o qual já havia crido no Senhor. As obras dos que ainda não se converteram de nada lhes adiantará, por não terem sido ordenadas pelo Altíssimo.

Jesus falou de dois irmãos a quem o pai pediu que fizessem algo. O primeiro disse não; mas, depois, arrependido, obedeceu. O segundo disse sim; porém, não cumpriu o que prometera (Mt 21.28-31). Há muitos salvos que se decepcionarão com o que lhes acontecerá no grande Dia, por não terem obedecido ao que lhes foi mandado. É coisa muito séria desprezar uma ordem divina. No entanto, quem der ouvidos a Deus receberá o seu galardão.

A evangelização teria livrado milhões de pessoas, que já morreram, de estarem aguardando o julgamento final, a fim de marcharem para o sofrimento eterno no Inferno. Se a geração passada não cumpriu o que lhe foi ordenado, não temos culpa; no entanto, não seremos tidos por inocentes se não pregarmos a toda criatura em todo o mundo agora.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares