15/03/2014 - O ERRO FOI ENDURECER O CORAÇÃO

Não endureçais o coração, como em Meribá e como no dia da tentação no deserto.

Salmo 95.8

Aqui o Senhor relata dois eventos. Vamos falar do que aconteceu em Meribá, quando o povo de Deus murmurou devido à falta de água. Ao vê-los de novo em murmuração, Moisés perdeu o domínio próprio e, irritado, feriu a rocha duas vezes. Ele não tinha atinado para o que o Senhor lhe ordenara – falar a rocha – e agiu por conta própria (Nm 20.2-13).

O que aprendemos com Moisés, considerado o homem mais manso da terra, é muito significativo (Nm 12.3). Mesmo as pessoas seguras no que falam e fazem, se forem levadas a um estresse muito grande, poderão perder a paciência e agir fora de controle. Por isso, sempre devemos manter a calma e jamais fazer o que não nos foi dito. Um ato aparentemente simples pode trazer consequências prejudiciais.

Houve dois momentos em que o Senhor mandou que tirasse água da rocha. No primeiro, Moisés teria de ferir a pedra, da qual sairia água (Êx 17.5,6). Na segunda vez, a orientação foi para que falasse à rocha (Nm 20.8). Sempre preste atenção ao que lhe é dito, pois, por uma simples distração, você pode cometer um erro grande que prejudicará alguém, o plano de Deus ou você mesmo. Ora, o Altíssimo nunca lhe diria que fizesse algo que não fosse da vontade dEle.

Jesus era a Rocha que conduzia o povo de Israel. Ele só podia ser ferido uma vez e, como Moisés não observou o que lhe havia sido ordenado, feriu a rocha duas vezes e, com isso, perdeu o direito de introduzir os filhos de Israel na Terra da Promessa. Qualquer ato fora da ordem do Senhor é pura responsabilidade de quem o faz. O pior é que, se fizermos o que não nos foi autorizado pelo Altíssimo, sofreremos alguma pena.

Veja bem que Deus não mudou a Sua posição. Moisés trabalhou muito para tirar os israelitas do Egito e fazê-los passar pelo mar Vermelho. Depois de conduzi-los por 40 anos pelo deserto, ao chegar o momento de passar o Jordão, Moisés foi morto pelo próprio Deus. A sua distração em cumprir as ordens do Senhor o fez perder o privilégio de colocar a congregação no lugar prometido.

Nunca saia dos limites da revelação e sempre preste atenção às orientações do Senhor. Não crie doutrina para chamar para si a aprovação de alguém nem encher a igreja ou dominar o povo (Gl 1.10). Não há necessidade que justifique uma má ação. Fique dentro do que está registrado nas Escrituras para não ser desclassificado. Não importa quanto tempo você serve fielmente a Deus; se vier a transgredir, sua última ação lhe trará uma pena.

O Todo-Poderoso não muda nunca (Tg 1.17). Quem ultrapassar a doutrina de Cristo não O terá mais como o seu Deus. Todo aquele que se corrompe não tem o Pai nem o Filho. A recomendação é sermos fiéis até a morte, pois, assim, receberemos a coroa da vida (Ap 2.10). O fiel escapa de qualquer condenação (Rm 8.1).

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares