02/04/2014 - QUANDO O PERDÃO É VERDADEIRO

E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas.

Marcos 11.25

Certamente, o Senhor cumpre Suas promessas, ainda que tudo ateste ser impossível. Desse modo, ao ser tentado a duvidar da fidelidade divina, repreenda isso no mesmo instante, pois o diabo está por trás de toda dúvida ou do seu receio. O inimigo sempre se esforça para que o crente saia da presença divina e caia em seus braços. Então, jamais aceite pensar que o Altíssimo é mentiroso como o homem. Ele é a Verdade (Jo 14.6).

Por maior que tenha sido sua dor ou a covardia que lhe fizeram, esteja pronto para perdoar. É lógico que o ofensor tem de estar disposto a confessar seu erro e pedir o perdão. No entanto, se ele não sente que o ato dele foi mau, ou acredita que você merecia tal desprezo ou traição, meras palavras de pedido de perdão nem devem ser consideradas. Quem ofende cai nas mãos do inimigo e só se libertará se, de fato, arrepender-se.

Se você foi vítima de alguma injúria, não se deixe levar pela tentação de fazer o ofensor sofrer pelo que lhe fez. Caso essa pessoa o procure e se abra verdadeiramente, o Espírito de Deus irá mostrar-lhe se ela está sendo verdadeira; então, aceite o pedido dela e conceda-lhe o perdão. Contudo, se você ficar na carne e quiser receber pelo prejuízo que sofreu, ao se vingar de seu ofensor, você não receberá a recompensa do Senhor no dia da redenção.

Não deixe nenhuma maldade habitar o seu coração, pois, se isso acontecer, inevitavelmente você cairá no laço do inimigo. Nada que seja pecaminoso deve ser tolerado por você, até mesmo a dor de ter sido vítima de uma traição. Se não perdoar, tendo visto que a pessoa se arrependeu e pediu o perdão, você abrirá a porta do coração para que os espíritos do erro entrem e lhe causem mais males do que fizeram com a atitude de quem o magoou.

Jesus foi claro ao afirmar que o ato de concedermos perdão a alguém faz com que o Senhor nos perdoe de igual modo (Mt 6.15). Mas, se negar perdoar a quem o ofendeu, por sua vez, o Pai não poderá redimi-lo, pois você não seguiu o mandamento divino. Pense bem: você nunca cometeu uma ofensa? Provavelmente, também tem muitos erros dos quais precisa arrepender-se; então, você é quem decide se será perdoado ou não.

O diabo deseja atingir o cristão de muitas maneiras e, para isso, tenta mostrar ao filho de Deus a vantagem de uma experiência extraconjugal, pré-nupcial etc., mas não consegue fazer isso, pois esse servo não dá atenção ao acusador. Por não obter êxito sozinho, o inimigo usa alguém para prejudicá-lo, por meio de injúrias, calúnias, difamações ou qualquer outro mal. Então, o filho de Deus chateia-se, o que é normal, e nega perdoar ao ofensor, e, com isso, o inimigo passa a ter ambos em suas mãos.

Nunca colabore com o maligno, pois, se o fizer, terá uma conta alta a pagar. O diabo sabe que quem lhe obedece se torna servo dele e, por isso, tudo fará para que o cristão se esqueça do que a Palavra de Deus diz e aja como um incrédulo. No entanto, quem serve ao Senhor jamais se afasta das orientações divinas e, desse modo, sempre está em comunhão com o Pai.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares