25/09/2014 - DOMINADOS PELA PROSTITUIÇÃO

Tal é o caminho da mulher adúltera: ela come, e limpa a sua boca, e diz: Não cometi maldade. 

Provérbios 30.20

O que se passa no coração de uma pessoa durante a tentação é de suma importância. Se ela resiste e não aceita as ofertas malignas, não tem culpa pelo que lhe foi oferecido. Mas, se gosta disso e, mesmo com o testemunho da Palavra e do Espírito Santo, entrega-se ao pecado, ela precisa se arrepender, conforme a prescrição bíblica. O pecado nos separa de Deus (Is 59.2) e nos coloca sob a autoridade do maligno.

Muitas vezes, os filhos do Altíssimo são lançados na fornalha da aflição (Is 48.10), a fim de saírem mais experientes e preparados para ajudar quem ainda não aprendeu a vencer as tentações. Quando elas vêm, o indivíduo ainda não pecou nem tem responsabilidade com o que surgiu em sua mente e não foi aceito. No entanto, não pode deixar que entre em seu coração; deve resistir para sair vitorioso quando terminar a prova.

Muitos caem em pecado, o que é muito triste. Então, escolhem o caminho da mentira, negando o que fizeram e, desse modo, desprezam o trabalho do Espírito Santo, que os convence do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8). Quem teve coragem de errar também deve ter a hombridade de confessar sua transgressão. O pecado é como o pior câncer em alguém; caso a pessoa não se deixe examinar e tratar pelo médico, ela fatalmente morrerá.

Quem não ouve o Altíssimo assume o demônio que o derrubou como senhor da sua vida. A partir de então, é uma sucessão de quedas, problemas e sofrimentos experimentados pelo indivíduo. Qualquer engano, por mais escondido que a pessoa pensa estar, torna-se uma porta aberta para a operação dos poderes das trevas. Só quem confessa tudo alcança a misericórdia (Pv 28.13) e o perdão e, por isso, consegue se livrar do mal.

O sinal de que você deixou o espírito maligno tomar conta da sua alma são os maus eventos ocorridos em sua vida. O descaso pela voz de Deus, a qual persuade do erro e leva ao arrependimento, é a pior estupidez praticada pelo pecador. Ele não teve repulsa em roubar, trair seu cônjuge ou prejudicar alguém e, dominado pelo inimigo, não se arrepende, pois não pesa as consequências de seus atos.

Quantas vezes Judas deve ter olhado para Jesus e sentido que o seu roubo (Jo 12.4-6) iria fazê-lo ser possuído por Satanás, mas, como não se arrependia, um dia, foi dominado por esse ser vil e traiu o Mestre (Mt 26.14-16, 47-50)! Você já sentiu de Deus que precisava parar de errar, mas continuou no pecado? Ou tinha de procurar sua metade e confessar seu fracasso, mas não o fez? Por que fazer de Satanás, o autor de todos os males, senhor da sua vida? Não troque sua felicidade eterna por nada.

Se você caiu e finge que nada ocorreu, mesmo que ore a Deus pedindo perdão, não terá um fim diferente do de Judas, pois a justiça divina precisa ser cumprida no seu clamor. Apenas o arrependimento genuíno, com a consequente confissão, irá livrá-lo da condenação eterna. Este é o melhor momento de voltar à presença do Senhor.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares