09/07/2015 - TRIPLO LIVRAMENTO

Porque tu, Senhor, livraste a minha alma da morte, os meus olhos das lágrimas e os meus pés da queda. 

Salmo 116.8

Em toda a Bíblia, o Senhor fala sobre o que Ele fez pelo homem por meio da morte de Jesus. Apesar de abundarem tais informações, a maioria do povo de Deus ainda não aprendeu o suficiente acerca da sua autoridade sobre as obras do mal – doenças, pecados e demais tentações. É preciso examinar as Escrituras, pois elas testificam a respeito dos nossos direitos em Cristo.

Deus não enviou um anjo nem usou qualquer homem para nos salvar, mas o fez por intermédio de Seu único Filho. Fomos libertos da potestade das trevas e transportados para o Reino do Filho do Seu amor (Cl 1.13). Deixar de crer no que Jesus realizou em nosso favor é o maior erro que alguém pode cometer. Fazer isso é ser enganado pelo diabo; é como declarar que Deus não merece crédito e o Calvário nunca existiu. Misericórdia!

Por causa do pecado original, do qual não participamos ativamente, estávamos para sempre condenados a sofrer nas mãos do inimigo e, depois da morte, estaríamos eternamente perdidos. Mas o amor divino prevaleceu no coração do Pai. Com isso, Ele providenciou o nosso resgate. Não devemos permitir que o maligno coloque sofrimento em nós.

Estamos livres da morte – a natureza do diabo que transforma o homem em um ser perverso. A pessoa que não passa pelo novo nascimento pode ser usada pelo pai da mentira nos mais bestiais instintos carnais, pois, diante de uma tentação, ele não pensará duas vezes antes de prejudicar o seu companheiro. Depois, sequer se importará com o estado moral ou físico do ofendido.

Não há como aceitar qualquer mazela demoníaca, porque, no Calvário, fomos libertos da natureza de Satanás e todas as suas maldades. Por isso, não temos de nos curvar a ele. Porém, se não reivindicarmos o que nos foi feito quando Cristo pagou com o Seu sangue as nossas culpas, o inimigo tentará trazer tudo de volta. Então, a dor nos fará chorar. Considere-se liberto!

Absolutamente, não temos também de aceitar mal algum. Ao contrário, para sempre estamos livres de qualquer operação do adversário. Ainda que ele nos tente, não nos atingirá, porque estamos fora da sua área de operação. Os nossos olhos têm de chorar, mas somente de alegria, nunca de tristeza.

Por fim, os que foram salvos se livraram dos efeitos da queda. Portanto, veja o que se passa com você. Se houver alguma coisa que o faz viver abaixo da dignidade, reivindique sua independência e não aceite voltar à escravidão. Para quem é de Deus, a única posição que lhe é reservada é ser cabeça, e não cauda; estar por cima, e não por baixo (Dt 28.13).

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares