29/08/2015 - CUMPRINDO O VOTO

Pelo que também ao SENHOR eu o entreguei, por todos os dias que viver; pois ao SENHOR foi pedido. E ele adorou ali ao SENHOR.

1 Samuel 1.28

Os votos devem ter origem no Senhor. Então, se você aceitar fazer uma parceria com Ele, jamais pense em mudar ou não cumprir o que foi acertado. Deus não terá por inocente a pessoa que se aliançou com Ele voluntariamente. Você não é obrigado a votar o que Pai o inspirou a fazer, mas, ao mesmo tempo, não será boa decisão recusar. Quando Ele nos dirige, algo maravilhoso acontece.

A história do voto de Ana, que resultou no nascimento de Samuel, é pregada e contada em todas as partes, pois é linda e inspiradora. Porém, todos devem observar com cuidado aquilo que sentem de Deus. Tendo entrado em aliança com Ele, jamais podem dizer que não estavam bem certos do que faziam, principalmente, se o Altíssimo já cumpriu a parte dEle. Não deixe o Senhor cobrar algo de você.

Somos advertidos pelo Altíssimo a não sermos tolos e propor alguma coisa a Ele; porém, se o convite vem dEle, não há por que o negarmos. Sem dúvida, o que Deus nos pede redundará em bênçãos para a nossa vida. O Altíssimo não precisa de nada nosso, mas, se nos propõe algo, é para multiplicar aquilo, como fez em Sarepta de Sidom, quando Elias falou em Seu Nome para que a viúva lhe preparasse um bolo (1 Rs 17.13).

A vergonha de Ana acabou com o nascimento de Samuel, mas poderia ter continuado por toda a eternidade, se ela não tivesse feito o que prometeu. Muitas pessoas, em momentos difíceis, fizeram votos e foram atendidas; porém, como o inimigo sempre vem com suas tentações de modo afrontoso, simplesmente, elas não somente deixaram de cumprir sua palavra, como também se justificaram, acusando alguém de tê-las enganado.

Quando o Senhor nos inspira a realizar algo e concordamos, Ele nos insere no Seu plano eterno. Assim, pelos séculos dos séculos, o nosso nome será lembrado como de alguém que fez a vontade divina e, por isso, foi recompensado. Não há quem tenha dado algo a Deus e não tenha recebido mais de volta. Ana manteve sua palavra e, quando o bebê mais precisava dela, levou-o ao templo e o entregou ao sacerdote.

Ela pode ter sentido a falta do seu primogênito, mas nunca voltou para buscá-lo. Jamais queira de volta o que deu a Deus, mas louve-O por lhe ter feito Seu parceiro. O ato dela fez Eli glorificar o Altíssimo e, ao mesmo tempo, cuidar do menino como propriedade de Deus. Respeitar o que oferecemos ao Senhor, ou o que recebemos dEle para ficar sob os nossos cuidados, é sempre uma boa ação. Seja responsável no que Ele o mandou fazer.

Anote bem a proposta feita ao Pai celeste, porque, se não honrá-la, você será achado em falta. Com Deus não se brinca e dEle não se zomba, pois, tudo que semearmos, ceifaremos (Gl 6.7). Cuidado para não deixar alguma paixão assumir o seu coração e, assim, fazê-lo desprezar o Senhor ou magoá-Lo. Seja fiel!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares