12/09/2015 - VIVIFICADOS PARA REINAR

Não tornarás a vivificar-nos, para que o teu povo se alegre em ti? 

Salmo 85.6

Com o pecado de Adão, o homem morreu espiritualmente e se distanciou de Deus. Sem a conversão, ele não consegue se aproximar do Senhor nem obtém vitória sobre o mal. Porém, quando aprende o que fazer para sair do império da morte – aceitar Jesus como Salvador, entendendo o que Ele fez em favor do homem na cruz –, ele se liberta.

Deus havia entregado a Adão e todos os seus descendentes o poder para dominar as aves dos céus (os demônios, na parábola do semeador); os peixes do mar (água, símbolo da Palavra de Deus) e, por extensão, os anjos que fazem a obra divina, determinando o que quisessem, e eles fariam a obra. Também lhes deu autoridade sobre os animais que rastejam (vidas microscópicas que, entrando em contato conosco, causam males à nossa saúde).

Com a queda, veio a vergonha. De senhores sobre a criação nós nos tornamos servos. Com isso, foi-se a nossa glória e capacidade de fazer o que agrada a Deus. No entanto, com a obra realizada por Cristo em nosso lugar, o diabo foi despido do poder que havia usurpado, com o qual ele nos oprimia. Agora, ao sermos batizados no Espírito Santo, recebemos de volta a habilidade para realizar o que se fizer necessário.

O clamor do homem era para que o Senhor nos vivificasse. No entanto, isso não poderia ser feito por decreto. Então, Jesus teve de passar pela morte espiritual – a separação de Deus, o que o fez exclamar no Calvário: “Meu Pai, Meu Pai! Por que me abandonaste?”. Então, Ele recebeu sobre Si os nossos pecados e sofrimentos. Ao enfrentar e vencer o maligno, seus príncipes e demais poderes infernais, Cristo foi vivificado, e nós o fomos junto com Ele.

Por meio da redenção, nós ressuscitamos com Cristo. Ao aceitarmos Jesus como Salvador e Senhor, recebemos o poder para sermos feitos filhos de Deus. Com isso, não há mais maldição sobre a nossa vida e nenhum impedimento para usarmos o Seu Nome. Desse modo, destruímos as fortalezas do inimigo e demais obras malignas. Somos os agentes de Deus!

Se você é salvo, o poder divino está à sua disposição. Agora, se caiu em pecado, não fique se lamentando e crendo que nunca mais voltará a ser de Deus. Basta confessar o seu erro e você se livrará da condenação ou daquilo que o separa do Senhor. Então, com a comunhão restabelecida, torne-se nova criatura!

Com a vivificação, podemos voltar a nos alegrar no Senhor. A alegria dEle é a nossa força. Assim, não devemos mais temer batalha alguma, pois sempre seremos vitoriosos. Se você nunca se viu mais poderoso do que o maligno, chegou a hora de crer nas Escrituras. O mais valente derrota o valente que, armado, guarda a própria casa. Esse mais valente é você, que crê no Senhor (Lc 11.21,22).

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares