29/11/2015 - E A VARA FOI QUEBRADA

Quebrou o SENHOR a vara dos perversos e o cetro dos dominadores.

Isaías 14.5 – ARA

Neste estudo, usarei a tradução Revista e Atualizada por ser mais clara quanto à obra realizada por Jesus em Sua morte. Quando se deixou levar pela mentira do diabo, Adão deu ao inimigo a autoridade que havia recebido de Deus. Com isso, o maligno passou a usá-la para oprimir a humanidade, colocando seus males no ser humano e dirigindo-o a fazer o que lhe interessava. Esse estado de coisas durou até o segundo Adão, o Senhor Jesus, vir à Terra e despir o diabo desse poder (Rm 5.6-21).

O plano celestial incluía a derrota de Satanás e a salvação do homem, que seria reconduzido à presença divina, retomando, assim, a comunhão com Deus. Como o Senhor é santo, Ele só age em justiça. Devido a isso, a obra precisava ser feita por alguém que não tivesse nada do diabo. Por não haver um justo sequer, o Altíssimo teve de dar Seu Filho para tomar o nosso lugar, não somente morrendo pela nossa queda, mas também sofrendo as penalidades impostas.

O sofrimento de Cristo começou antes do Calvário, pois, ao ser preso no Getsêmani, Ele foi levado às autoridades romanas e, em um julgamento sumário, recebeu a sentença de morte na cruz. Assim, foi entregue para ser açoitado e, nas feridas feitas em Sua carne pelas chicotadas recebidas, foram colocadas nossas enfermidades e dores. Por meio delas, fomos sarados. A Deus agradou moê-Lo, para que pudéssemos ser curados e salvos (Is 53).

Ao ser pregado na cruz, os nossos pecados foram colocados sobre Jesus. Nesse momento, Deus virou-Lhe as costas, e Jesus perguntou por que o Pai O havia abandonado (Mt 27.46). Ao ver que tudo estava sobre Ele e nada mais restava na conta do ser humano, declarou estar consumada a obra que viera fazer e morreu. Após esse momento, Cristo desceu ao Inferno e, lá, na casa do diabo, quebrou a vara dos perversos e o cetro dos dominadores.

O diabo não tem mais a autoridade que tomou de Adão. Portanto, está impedido de manter sob seu governo quem, tendo ouvido o Evangelho, entrega-se a Jesus para ser salvo. Com essa vara, ele fustigava o ser humano, mas, agora, os que se convertem são transportados do reino das trevas para o Reino de Jesus (Cl 1.13). Em Cristo, não sofrem os ataques das forças infernais e podem viver tranquilos e livres para sempre.

O salvo só é afligido pelo maligno quando erra e não se arrepende. Ora, ao confessar os seus pecados, Deus é fiel e justo para perdoar os pecados e purificar a pessoa de toda injustiça (1 Jo 1.9). Ao pecar, o servo de Deus rompe o muro de fogo que o protege e é mordido por uma cobra. Por isso, você não deve pecar, mas, se, por acaso, cair em alguma tentação, confesse ao Senhor no mesmo instante e, caso tenha subtraído algo de alguém ou desonrado alguma pessoa, confesse a ela também.

Quem está no Reino de Deus vive despreocupado e feliz. Além disso, é vencedor em tudo. No entanto, se não vigiar e orar, o indivíduo pode entrar em tentação. Ocorrendo isso, ele pode ser atacado e vencido pelo diabo. O que Deus tinha de fazer para a nossa salvação já foi feito e não será anulado. Agora, somos nós que temos de manter a nossa posição de libertos e salvos.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares