17/11/2016 - PARA SABER QUE DEUS É O SENHOR

E para que contes aos ouvidos de teus filhos e dos filhos de teus filhos as coisas que fiz no Egito e os meus sinais que tenho feito entre eles; para que saibais que eu sou o SENHOR.   

Êxodo 10.2

É bom não somente falar do que Deus promete fazer, mas também contar em detalhes o que Ele fez por aqueles que confiaram nEle. A narrativa bíblica, em toda a sua extensão, leva as pessoas a entenderem cada ponto, pois, por certo, seus ensinamentos são de grande valia para quem ouvir sobre eles. O Altíssimo tinha duas razões ao endurecer o coração do Faraó, antes de cumprir a promessa feita a Abraão de tirar os israelitas do Egito.

A primeira era fazer nele os seus sinais, pois, sem aquelas obras que trouxeram muito sofrimento ao seu povo, ele faria uma maldade inimaginável aos hebreus, atrapalhando o trabalho realizado pelo Senhor para nos dar o Salvador da nossa alma. Aquele que se dá ao erro nem imagina o que pode ser feito com ele e com os seus, para que não seja um instrumento mortífero nas mãos de Satanás.

A segunda razão era para que os israelitas nunca se esquecessem de quem foram e do que foi feito em favor deles. Os salvos seriam melhores servos de Deus, ao se lembrarem do que sofreram e de como se desviaram do caminho do bem. Eles foram libertos dos demônios que os escravizavam e, agora, livres dos seus antigos senhores e de seus males, podem viver para o bem.

Moisés disse a Faraó que o Senhor traria uma praga que comeria tudo o que ficara da anterior: a dos gafanhotos. Nela, os deuses que se diziam protetores das lavouras e da vegetação, Serápis e Ísis, divindades criadas pelo Inferno, seriam envergonhadas. Ficaria provado que eram puras invenções malignas, pois, embora fossem considerados protetores da agricultura, nada poderiam fazer contra os gafanhotos.

Aquilo que a saraiva não destruiu, até as árvores que estavam começando a crescer no campo, os gafanhotos devorariam. Era Deus mostrando Seu poder para fazer o que quisesse. A opção do rei, de crer nos demônios que o enganava, quando o proibia de dar liberdade aos hebreus, era a responsável por tudo de ruim que lhe ocorria, mas ele não cria. Hoje, muitos haverão de pagar caro por rejeitar as determinações do Senhor.

Quem se não se humilhar diante do Todo-Poderoso será humilhado por sua prepotência e rebeldia. Faraó sabia que Deus estava executando o juízo em sua terra, mas não se dobrava. Ainda faltavam duas pragas, além da do gafanhoto, a qual estava prestes a ocorrer como parte da ação divina sobre Faraó. Até quando um ser humano se insurgirá contra os planos do Criador e aguentará o lado corretivo dEle? Ele nos corrige para nosso bem.

Não importa quem você seja; acerte-se com o Pai celestial, porque, quando o juízo divino vier, você partirá para o sofrimento eterno, se os seus pecados não tiverem sido lavados no sangue de Jesus. Por que desprezar o Criador e amar o destruidor?

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares