29/06/2017 - O DIREITO DO OPRIMIDO E DO NECESSITADO

Sei que o SENHOR sustentará a causa do oprimido e o direito do necessitado.

Salmo 140.12

Nenhum ser humano tem de suportar as opressões do diabo, porque Jesus sofreu todas elas na cruz. Esse é um dos motivos que deve nos levar a pregar o Evangelho a toda criatura pelo mundo. O Senhor perguntou a Isaías: A quem enviarei, e quem há de ir por nós?, e o profeta respondeu: Eis-me aqui, envia-me a mim (Is 6.8). Por certo, os salvos desprovidos do desejo de falar do amor divino aos perdidos ainda não o experimentaram.

O melhor a ser feito pela humanidade é anunciar-lhe a Verdade, levando a todas as pessoas a salvação conquistada por Jesus. Como pastor, posso garantir: fazer a vontade de Deus é o mais importante. Quando vemos pessoas perdidas em delitos e pecados se converterem e passarem a obedecer ao Senhor, o nosso coração se enche de alegria. Imagine como fica o coração do Pai celestial!

As formas de opressão são muitas: pensamentos negativos, timidez, indução a pecados, falta de recursos físicos, mentais etc. Provavelmente, a cada cem pessoas, noventa e nove estão sob algum ataque demoníaco. O pior: na vida da maioria delas, há pecados não confessados, e isso as condenará ao suplício eterno. Deveríamos nos consagrar para falar da salvação com mais unção, pois as perdas serão grande.

A pessoa entregue a qualquer transgressão se deu ao diabo. Se ela não se arrepender e não nascer de novo, será sempre oprimida por Satanás. A obra de Deus é mais séria do que as mensagens evangelísticas proferidas como verdadeiras, pois estas tendem a levar os mais simples a acreditarem que, para serem perdoadas e salvas, basta levantarem a mão e aceitar Jesus.

O Evangelho não é uma religião cujos ensinamentos são os mais lindos, mas a verdadeira Terra da Liberdade, onde as promessas de Deus se cumprem, e os salvos podem desfrutar de uma vida digna e poderosa. Jamais diga: “O Evangelho é a religião que salva”, e sim: “Ela é o Caminho para se livrar da eterna condenação”. Não temos uma religião; desfrutamos da graça do Senhor, a qual nos recriou em Cristo. NEle o homem se realiza!

Quem aceita Cristo como Salvador e cumpre Seus mandamentos prova o seu amor a Deus e, por sua vez, o Pai e o Filho o amam. Não basta dizer da boca para fora: “Eu amo Jesus”; é preciso obedecer aos preceitos divinos. Se deixarmos de pregar a mensagem tal como ela é, o perdido não encontrará o caminho da vida eterna. Encobrir as exigências bíblicas é errado, porém devemos falar delas de acordo com a direção do Senhor.

Todos os oprimidos e necessitados têm direito de se livrar das condenações do maligno. Isso deve ser dito com segurança a eles. Então, se crerem e reivindicarem essa prerrogativa, o Altíssimo os sustentará, e eles, sem dúvida, serão libertados. Afinal, não há como Deus dar a salvação e a pessoa se perder.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares