25/02/2019 - A INVEJA NO CORAÇÃO

Não tenhas inveja dos homens malignos, nem desejes estar com eles. 

Provérbios 24.1

A inveja é um misto de desejo ou desgosto pela felicidade, pelo sucesso e pelos bens alheios. Ela encontra ninho em quase todos os corações e sempre aparece como se não fosse nada, ou apenas uma intuição a respeito da pessoa que venceu na vida. Não podemos invejar ninguém, muito menos os homens malignos. O que eles conseguem jamais seria para nós. Afinal, por amarmos a Deus, não procedemos como eles.

Desejar estar com os vencedores a qualquer preço é ruim. Ora, a posição de filhos de Deus nos dá acesso às riquezas do Altíssimo, e a promessa divina garante o atendimento perfeito e pronto toda vez que orarmos. Porém, nem sempre estamos bem com o Senhor, e isso faz toda a diferença. Já os maus fazem a vontade do diabo. Para que não saiam das suas mãos, o maligno até releva os rompantes de santidade que eles têm.

Por amor a Raquel, Jacó trabalhou sete anos. Ela sabia disso e esperava o dia em que se casaria com o filho de Isaque, seu tio. No entanto, não contava com a astúcia de seu pai, o qual a enganou, dando a Jacó sua irmã Leia (Gn 29.20-25). Por certo, ela jamais esquecera a desagradável surpresa de ter sido passada para trás e ter de esperar mais outros sete anos para ser do seu amor. As situações para Raquel sempre foram difíceis, pois ela tinha de ver o seu marido com sua irmã.

Com o passar do tempo, Leia começou a ter filhos, e Raquel nada. A condição de estéril também não era sua culpa. Se dependesse dela, teria até mais filhos do que a irmã; entretanto, isso ela só resolveria com o Todo-Poderoso. Não sabemos quantas orações Raquel deve ter feito e quantas vezes se convenceu de que seu dia chegaria. Porém, era puro engano, porque nunca se confirmara a sua gravidez. O que fazer?

Raquel sentia que o marido era um verdadeiro homem de Deus, que tinha um pacto com o Senhor. Mas parece que ele não queria orar ao Altíssimo para Ele abrir a madre da sua esposa. Em pouco tempo, apesar de ser a preferida de Jacó, Raquel começou a sentir inveja de sua irmã. Muitas coisas não nos acontecem, embora as vejamos ocorrer na vida das pessoas. A inveja aumentou e a fez peitar seu esposo, pedindo filhos (Gn 30.1).

Ela foi direto a Jacó e disse: Dá-me filhos, senão morro. Quando uma pessoa chega a esse ponto, já perdeu toda a esperança de ser atendida pelo Senhor. Por que, às vezes, é tão difícil contar com o Altíssimo para nos curar, libertar de um problema etc., e, mesmo orando com fé, a obra nunca é feita? Casos assim desafiam a nossa fé. O que faltava para Raquel, ou para tantas pessoas que desanimaram, só Deus sabe!

A ira de Jacó se acendeu contra Raquel. Ele, então, falou com rispidez: Estou eu no lugar de Deus, que te impediu o fruto de teu ventre? (Gn 30.2). Talvez, jamais tivesse havido entre eles um momento como aquele. A decisão dela foi dar sua serva ao marido, para que, por ela, ele lhe desse filhos. A solução para todos os casos é Deus! 

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares