10/12/2019 - DE VOLTA A CASA

E, alguns dias depois, entrou outra vez em Cafarnaum, e soube-se que estava em casa.

Marcos 2.1

O Senhor havia feito de Cafarnaum o Seu quartel-general, de onde saía para as missões e para onde voltava. No contexto do versículo, Ele voltou alguns dias depois para estar onde o Pai O havia instruído a instalar a sede da Sua obra. Por certo, os necessitados buscariam a ajuda divina. Como sempre estava pronto, o Salvador não decepcionaria os que fossem ter com Ele. O mesmo ocorrerá conosco, mas temos de nos preparar.

Jesus mostrou que o campo é o mundo, onde Ele deveria estar fazendo o bem. Devemos proceder da mesma maneira em todos os lugares sob a direção do Pai celestial. Porém, primeiro, temos de estudar a Bíblia e ficar em oração, para que as pessoas venham até nós e não se decepcionem. Ora, se não houver em nós o poder do qual elas precisam, como terão supridas as suas necessidades?

Obedecendo à orientação de Deus, aonde o Mestre ia, muitos se achegavam a Ele para receber a Palavra. Sem dúvida, se cressem nela, viveriam livres das forças do mal e obteriam a fé para serem curados. Ao voltar para casa em Cafarnaum, Jesus atendia os necessitados. Multidões O esperavam ansiosamente para ouvir e receber o socorro divino. Quem estiver preparado na fé em Cristo também será procurado!

Tão logo o Senhor retornou, a notícia se espalhou, e o resultado não podia ser diferente: as pessoas iam ao Seu encontro. Assim, aprendiam a Palavra e eram abençoadas pelo Seu ministério. Ninguém se frustrava; ao contrário, da Sua boca saíam instruções precisas, a ponto de todos exclamarem: Nunca tal vimos (Mc 2.12). Será que o mesmo pode ocorrer conosco? Sim, com certeza!

Quando ocuparmos o nosso lugar em Cristo, os perdidos virão até nós e teremos condições de ajudá-los, mediante a autoridade do Senhor concedida a nós. Esta é a diferença entre nós e os líderes das demais religiões: a operação do poder de Deus quando ministramos. O Todo-Poderoso quer nos usar, assim como usava Seu Filho amado!

A nossa comunhão com o Altíssimo mostrará se, de fato, podemos ser Seus instrumentos. Isso só ocorrerá caso provemos que somos merecedores da Sua confiança. É triste quando o oposto é verdade, falamos demais, e as nossas ações são semelhantes às dos religiosos. Ora, o povo está cansado de ouvir aqueles que não têm nada para lhes dar. Os perdidos buscam avidamente por quem pode lhes mostrar o Norte!

Deus é sábio e não confiará a nós os Seus amados se formos destruidores de lares ou tivermos outro propósito no ministério além daquele que havia em Jesus. A obra é do Senhor, e os Seus servos devem ter a mesma capacidade do Filho de Deus; do contrário, estaremos fadados a gritar, e ninguém virá até nós.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares